Dúvidas jurídicas: veja como garantir o monitoramento do seu time

Dúvidas jurídicas: veja como garantir o monitoramento do seu time

A discussão sobre o trabalho remoto é o tema da vez. Aqui no blog já publicamos alguns artigos abordando o tema, que é pauta nas conversas com os amigos, nos grupos de WhatsApp, nas redes sociais e em qualquer espaço, virtual ou não, que reúna pessoas. Não há como fugir, a tendência conquistou o mercado de trabalho de vez.

Segundo uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, o home office deve crescer cerca de 30% após o período de isolamento social. Isso porque as empresas e os colaboradores encontraram formas de se adaptar à nova rotina, com benefícios para os dois lados. Uma vez que as empresas adotam o home office, como funciona esse novo formato de trabalho?

Quer conhecer mais pesquisas sobre este tema? Baixe nosso infográfico gratuito “Home Office em Números”!

Neste artigo, vamos te contar os pontos a favor e contra do home office e discutir outra questão que é fundamental nesse processo: as dúvidas jurídicas e o monitoramento dos times.

Entendendo o home office

Você sabe como o home office surgiu? Apesar de ser muito difundido, a história do home office não é muito contada por aí. O teletrabalho surgiu nos Estados Unidos, na década de 1970, quando os computadores, celulares e a internet começaram a se popularizar no país. Anos depois, os custos desses equipamentos foram diminuindo e o trabalho remoto se popularizou, pessoas começaram a trabalhar de casa, do café, do aeroporto, de onde estivessem.

No Brasil, o teletrabalho é mais recente. O modelo chegou ao país no ano de 1997, durante o “Seminário Home Office/Telecommuting – Perspectivas de Negócios e de Trabalho para o Terceiro Milênio” e passou a conquistar mais adeptos alguns anos depois, com a modernização dos aparelhos eletrônicos e a melhoria na conexão da internet.

Até 2017, o Brasil não contava com uma lei específica para o trabalho remoto, e muitas dúvidas jurídicas existem sobre o tema. Com a Reforma Trabalhista, a Lei 13.467 foi alterada, passando a integrar também o teletrabalho. A lei estabelece algumas obrigações para empresas e colaboradores, mas não diz nada sobre o monitoramento em específico.

SAIBA MAIS: 7 mudanças da legislação trabalhista brasileira sobre o home office.

Como funciona o monitoramento home office?

Como falamos anteriormente, a lei trabalhista não estabelece regulação sobre o monitoramento de home office. Por isso, é recomendado pelos especialistas no tema que o monitoramento seja realizado por não existirem obrigações legais. Mas, algumas atitudes podem e devem ser tomadas para que empresa e colaborador fiquem satisfeitos com a nova modalidade de trabalho, e para que o monitoramento não seja visto como um vilão.

Plataformas para comunicação

Implementar plataformas para a organização do trabalho, definição de pautas e responsáveis por cada tarefa é fundamental para que as atividades propostas sejam cumpridas. Assim, é possível ter mais controle sobre a execução e andamento do trabalho, além de criar processos, que são fundamentais para a entrega e os resultados.

Coloque regras

Um checklist, por exemplo, pode ser utilizado para estabelecer as atividades da semana e ser colocado como uma regra a ser cumprida. Nesse caso, os colaboradores devem ser avisados sobre as regras. Caso a empresa queira uma segurança maior, pode ser inserido um adicional no contrato de trabalho com essas especificações. Todos esses detalhes podem contribuir com a empresa na hora do monitoramento.

O que prevê a LGPD sobre a coleta de dados e o monitoramento?

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) estabelece regras sobre a coleta, o uso e o compartilhamento de dados pessoais e sensíveis. A lei foi criada em 2018, mas deverá entrar em vigor apenas em 2021. A nova legislação estabelece que qualquer dado pessoal ou sensível, que for registrado, precisa ser avisado ao usuário. Os dados são classificados de duas formas:

  • Pessoais: aqueles como número de CPF, RG, e-mail, e que são relativos a pessoa jurídica.
  • Pessoais sensíveis: que são dados relacionados a opinião política, religião, saúde, dados genéticos, biométricos, etc.

Apesar de falar sobre a coleta dos dados, a LGPD não trata sobre o trabalho remoto .Por isso, ainda existem muitas dúvidas acerca do tema. Dessa forma, o recomendado é que, se a empresa for realizar o monitoramento com algum tipo de ferramenta, devem ser estabelecidas regras e os colaboradores avisados de que estão sendo monitorados.

Como a ferramenta de monitoramento de home office fSense registra os dados?

 

Em geral, o monitoramento de home office da fSense possibilita a coleta de alguns tipos de dados, mas que não são pessoais, seguindo as diretrizes e de acordo com o que está previsto na LGPD.

O registro, normalmente, é feito com as aplicações e páginas web acessados pelo usuário e por quanto tempo utilizou. No entanto, o conteúdo dessas aplicações e páginas não é registrado.

Por exemplo: se o colaborador utiliza o WhatsApp na máquina durante o horário de trabalho, o fSense captura essa informação. Mas não registra as mensagens trocadas pelo aplicativo de mensagens.

Existem planos do fSense que permitem a captura de telas. Nestes casos, como existe o risco de registro de informações pessoais comuns e/ou sensíveis, o empregador deve se antecipar e já informar claramente a seus colaboradores sobre essa possibilidade, além de mostrar como essas informações serão utilizadas e armazenadas.

Essas informações podem ser úteis para realizar feedbacks, entender os gaps de produtividade dos colaboradores, traçar um plano de crescimento com o profissional, entre outras ações.

O apoio que você precisa para acompanhar a produtividade do seu time

É necessário se adaptar à nova rotina! E para tornar alguns processos ainda mais fáceis e rápidos, a plataforma do fSense é sua melhor escolha para apoiar na gestão!

Com a plataforma, você mensura a produtividade do seu time home office, faz acompanhamento em tempo real, tudo em um dashboard prático e dinâmico. Além disso, conta com muito mais informações e dados para embasar os feedbacks para o seu time.

Além disso, como podemos ver. A plataforma está em conformidade com as exigências da LGPD, o que também é muito importante para sua empresa.

E tem boa notícia! Você pode fazer o teste da plataforma grátis por 14 dias, em até 10 computadores. Faça seu cadastro e comece a usar o fSense também!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.