Gestão de horas: 3 dicas para fazer na sua empresa

Por que a gestão de horas é importante para a empresa? Entenda como uma boa gestão reduz custos e otimiza processos. 

Todo gestor de RH sabe a importância de fazer a gestão de horas dentro da empresa. Essa ação é importante, pois é ela que garante que os colaboradores estejam trabalhando o tempo permitido pela lei e, no caso da empresa, dá previsibilidade nos valores que devem ser pagos a mais ao colaborador. 

Com a pandemia, muitas empresas migraram para o home office. Assim, um dos desafios para o setor de RH tornou-se controlar a gestão de horas dos funcionários. 

A gestão de horas nada mais é do que controlar a presença dos colaboradores e a jornada de trabalho realizada. Nesse caso, além de analisar as horas trabalhadas dentro da jornada comum, é possível analisar horas extras, atrasos ou faltas. 

Gestão de horas: quais as regras para horas extras? 

Todo colaborador que trabalha de carteira assinada é regido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Assim, as regras utilizadas pelo setor de Recursos Humanos e Departamento Pessoal devem seguir essa legislação.

Segundo a CLT, a jornada de trabalho não pode ultrapassar 8 horas por dia ou 44 horas semanais. Dessa forma, o tempo trabalhado após esse valor é contado como hora extra. Ainda conforme a lei, no artigo 59, a jornada excedente tem limite máximo de duas horas por dia, mediante acordo coletivo ou contrato. Além disso, o valor da hora extra deve ser de, pelo menos, 50% a mais do que o valor normal da hora de trabalho. 

Portanto, hora extra nada mais é do que toda hora excedente de trabalho conforme jornada habitual descrita por meio de contrato de trabalho. 

3 dicas para realizar gestão de horas 

Fazer uma boa gestão de horas é uma tarefa que reduz custos para a empresa e facilita a vida do gestor de RH, mas também é uma solução que cria alternativas para o gestor de equipes e dá visibilidade para os colaboradores evoluírem e se tornarem mais produtivos. Entenda. 

1 – Tenha uma política de trabalho 

Todos os colaboradores devem assinar um contrato quando são admitidos. Nesse documento, é imprescindível que constem todas as informações sobre as funções que o colaborador deve exercer na jornada de trabalho. 

Mas, além disso, é interessante que o setor de RH crie uma política interna de trabalho explicitando as normas gerais da empresa. Assim, além de esclarecer informações sobre hora extra, como ela deve ser feita, se é preciso liberação prévia dos gestores e forma de pagamento, também é possível inserir informações sobre segurança dos dados e compliance da empresa

2 – Contrate um sistema específico 

Para fazer a correta gestão de horas, o profissional de RH precisa contar com as ferramentas certas. É possível encontrar no mercado opções como planilha ou software gestores de tempo, em que os funcionários ou gestores da área preenchem as horas. Embora possa ajudar, essas informações não trazem tanta acurácia como um sistema específico que mede o tempo trabalhado. 

Com um registro completo das atividades, é possível ter uma visão clara das atividades em cada estação de trabalho. Ou seja, além de medir as horas extras, o gestor consegue identificar gargalos e fluxos de operações com falhas. 

3 – Realize treinamentos e ensine os gestores a usarem a plataforma 

Além de ser uma ótima alternativa para os líderes de RH, os sistemas de monitoramento e de gestão de tempo ajudam gestores a liderarem melhor suas equipes. Por isso, é importante que o time de RH realize treinamentos e estimule os gestores a utilizarem as plataformas a favor da melhoria organizacional. 

Com um bom software, é possível realizar classificações combinatórias de dados no apontamento de horas para permitir relatórios que detalham a performance da equipe em cada tipo de atividade.

Se você se interessou e quer entender melhor como funciona o sistema fSense, leia o nosso conteúdo no blog.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.